domingo, 10 de fevereiro de 2008

Juno


Sem sangue, sem violência, Juno encerrou as sessões de cinema deste fim de semana se revelando um filme encantador.

A rigor, a trama da jovem grávida teria tudo pra ser um melodrama barato, mas acabou virando um candidato a clássico da Sessão da Tarde de quilate, como não lembro de ver há tempos. São os detalhes que fazem a diferença: o elenco carismático, a atuação monstruosa de Ellen Page, a trilha sonora gostosa...

Claro, vai ficar datado, e logo na abertura. A linguagem gráfica escancara nosso fim de década. Azar: além de um grande filme, vai render belas lembranças.

Um comentário:

Kicha disse...

Bah, adorei esse filme. A trilha é demais, e eu amo a Ellen Page.